Sacola

Nenhum produto no carrinho.

Sobre caminhos de reparação: uma falha e algumas conversas sobre o que precisa ser nomeado

No dia 29/12/2020 lemos o relato da Juliana Iyafemi no instagram sobre uma imagem que a ilustradora Luiza Guedes fez pra ela e sua família que acabou sendo publicada na Mandala Lunar 2021 sem sua autorização. Demoramos pra comentar pois estávamos aguardando para falar com a Juliana e ouvi-la junto com a Luiza. Finalmente conseguimos conversar hoje (31/12) pela manhã e estamos encaminhando alguns acordos para minimizar essa situação tão difícil e dolorosa para todas nós. E, já que agora essa é uma conversa pública, achamos importante contar um pouco sobre o ocorrido a partir da nossa perspectiva.

No final de outubro, estávamos com a Mandala Lunar quase pronta para ser entregue para a gráfica, restando somente alguns espaços livres para algumas imagens. Nesse momento já não havia tempo para encomendas (quando pedimos pra artista fazer algo especialmente pra nós), então optamos por escolher algumas ilustrações prontas da nossa colaboradora Luiza Guedes, a partir do seu feed no instagram, e checar com ela se estavam disponíveis. 

Pedimos autorização de direitos autorais para uso de algumas imagens da Luiza e ela nos respondeu dizendo que uma das imagens que escolhemos, a que retratava gerações de mulheres de uma família, era uma encomenda para uma mana querida que autorizou seu uso, mas que ficaria feliz se tivesse os nomes das mulheres da sua família retratadas. Respondemos a ela dizendo que preferíamos uma outra imagem sem referência a uma família específica e perguntamos se ela tinha outra imagem nesse tema. Luiza nos respondeu alguns dias depois dizendo que não tinha outra, mas que poderíamos usar aquela mesmo (como estava, sem os nomes). Nós estávamos fechando o arquivo e entendemos naquele momento que estava tudo bem para a mulher que havia feito a encomenda. 

Em nenhum momento dissemos a Luiza que não gostaríamos de “mencionar os nomes das mulheres” e que isso “descaracterizaria a agenda” ou que “só publicaríamos sem os nomes”. Nós de fato não conversamos, trocamos poucas mensagens por e-mail e foi somente essa a conversa que tivemos. 

Nossa intenção ao pedir o uso da ilustração era, justamente, fazer uma homenagem às mães e à ancestralidade negra e indígena, preocupadas em trazer representatividade nas ilustrações. Naquele momento não conseguimos enxergar que essa escolha de inserir uma ilustração, que sabíamos ser a representação encomendada de uma família sem o registro dos nomes, poderia causar um grande desconforto para Juliana e sua família, que já vinha a um tempo buscando resgatar os nomes e histórias de suas antepassadas, pessoas negras e indígenas que como coletivo tem sido apagadas da história e memória do nosso povo. 

Para nós, foi uma surpresa quando soubemos no dia 29/12, que a Juliana (que fez a encomenda pra Luiza), não havia autorizado o uso da imagem da Luiza com a representação das ancestrais dela na Mandala Lunar, e que ela só teria autorizado com a condição de que os nomes fossem colocados junto da ilustração. Essa condição nunca foi nos passada, nós até então não tínhamos nenhuma comunicação direta com Ju, que fez a encomenda com a Luiza. 

Nesse dia soubemos também que ela e Luiza haviam conversado por vídeo posteriormente a Mandala ter ido para a gráfica e que havia acontecido um mal entendido em relação à autorização de uso de imagem da Juliana para a Luiza. Nessa conversa alguns fios foram soltos na comunicação e o entendimento foi perdido. 

Apenas a partir desse momento pudemos finalmente enxergar como foi um imenso e sério erro termos publicado essa imagem sem antes conversar diretamente com a responsável pela encomenda. Com muita tristeza e arrependimento, finalmente nos demos conta do impacto que este nosso descuido provocou. Por isso sentimos muito e pedimos desculpas a Juliana e sua família e todas as pessoas que se sentiram ofendidas com esse acontecimento.

Assim que soubemos do desconforto de Juliana, entramos em contato para buscar um diálogo e reparação. Desta forma, conseguimos conversar hoje: nos apresentamos, contamos nossos pontos de vista e buscamos ouvir a Juliana e entender como poderíamos fazer ações para reparar essa situação. 

Ao ver por uma terceira pessoa um vídeo da Mandala Lunar com essa arte e a representação de suas ancestrais sem seus nomes (conforme havia pedido), isso foi recebido pela Juliana e sua família como mais um apagamento de sua ancestralidade negra e indígena. Isso feriu pessoal e também coletivamente a quem tem ancestrais vindas de povos originários ou pessoas africanas escravizadas que já vivem a violência e o apagamento em suas vidas e histórias.

Fizemos alguns acordos para minimizar esta falha e acreditamos que pudemos chegar a um lugar que fique bom para ela, sua família e muitas outras pessoas. Não podemos voltar atrás em relação à situação, mas nos comprometemos em fazer o possível para minimizar essa dor e incômodo.  Estas conversas estão acontecendo com muito cuidado, já que a Mandala Lunar, embora seja um item comercializado, nasce de um lugar de reverência e de muito amor às mulheres. É de nosso desejo transmutar o que foi uma falha na nossa rede de comunicações em um acolhimento, ouvindo e elucidando a partir deste lugar de amor e respeito à família da Juliana, reiterando nossa intenção inicial ao escolher esta arte. Nós ainda vamos seguir essa conversa. O diálogo não terminou aqui. Nossa ação também não. Viemos somente aqui pra contar um pouco sobre o que aconteceu

Neste 2020  aconteceram muitos erros e surpresas difíceis para nós, tanto durante a criação, quanto (muito mais) após as vendas da Mandala Lunar. No entanto, neste caso específico, uma falha nossa  reverberou na sensibilidade de muitas outras pessoas e, por isso, desejamos falar abertamente sobre a situação acreditando que podemos juntas aprender: tanto entre nós, para que possamos não errar novamente, quanto coletivamente- para que as sutilezas fiquem mais visíveis e outras não cometam erros parecidos em relação às presenças ancestrais.

Somos muito gratas por tudo que permitiu a expansão da rede que compõe a Mandala Lunar, feita de conteúdos que criamos ou reunimos com muito amor. Por outro lado, esse crescimento tem também nos trazido responsabilidades e necessidades que exigem cuidado e que muitas vezes não fomos capazes de acompanhar. O propósito da Mandala Lunar é o cuidado com a Terra, o que envolve o cuidado de si e de todes que compartilham ela com a gente, e para os que virão. Como humanas errantes, nem sempre conseguimos, mas é a partir dos erros que podemos refletir sobre nossa passagem no mundo e reajustar nossa condução nesse caminho.