Sacola

Nenhum produto no carrinho.

Aspectos para observar na mandala lunar: ícones & cores

A Mandala Lunar contém diagramas de cada uma das lunações do ano para o registro diário de suas percepções físicas, emoções, hábitos e acontecimentos pessoais. Esse registro é um mapeamento que pode ajudar a revelar relações, a perceber o que lhe faz bem e o que não faz, a aumentar a consciência sobre seu corpo e sentimentos e a perceber e aproveitar as potencialidades de sua natureza cíclica. Para preencher cada diagrama, o marca-página da Mandala Lunar será seu guia. É nele que você vai criar sua legenda de cores e ícones para se auto-observar e estudar sobre si mesma. Seu preenchimento diário vai aos poucos formando um infográfico pessoal para cada lunação. 

Ícones:

Sugerimos usar ícones para indicar ações pontuais como hábitos (meditação, caminhada, estudo, dança), uso eventual de substância aditiva (café, açúcar, álcool, tabaco), questões de saúde (enjoo, resfriado, dor de cabeça, rinite, insônia), emoções e sensações (felicidade, tristeza, fúria, ansiedade, criatividade) ou acontecimentos pessoais (conflito interpessoais, contato com natureza, relação sexual, masturbação, sonhos importantes). Você pode criar ícones para observar seu apetite, estudos, espinhas, leituras, uso de remédios, massagens, terapias, para aqueles dias que dá uma vontade de organização e limpeza ou de chorar e para acompanhar seu sono. Para quem menstrua, os ícones no diagrama também podem registrar momentos do ciclo menstrual (ovulação, cólicas, muco, dor nos seios). Sua biblioteca de ícones vai sendo construída ao longo do ano, quando as necessidades de observação forem surgindo.

Cores:

Algumas possibilidades de temas de autoestudo podem ser observar sua qualidade de presença, intuição, extroversão e expressividade, amorosidade, autoconfiança e autoestima, energia sexual, força de ação e energia vital. Falamos sobre elas abaixo.

Presença

Presença é comparecer em corpo físico, mental, emocional e alma em tudo o que for feito. Estar presente é vivenciar conscientemente cada ação que realizar, seja ao ler um livro ou ao sentir os sabores de uma refeição. Além disso, perceber necessidades ou desconfortos do seu corpo quando ainda estão sutis. É estar atenta aos seus pensamentos e sentimentos para poder agir conscientemente, não apenas reagir.

Exemplos de como avaliar a intensidade da sua presença no seu dia: Você esqueceu alguma coisa importante ou deixou alguma coisa em algum lugar e depois não lembrou onde? Isso acontece quando nossa mente não registra a ação no momento e podem ser sinais de que não estivemos inteiramente presentes. Ao conversar com pessoas hoje, você ouviu atentamente o que diziam? Se sim, você estava presente durante a conversa. Às vezes estamos mais distraídas ou ansiosas e podemos estar pensando no que responder enquanto falam, perceber que respondemos alguma coisa que não condiz com o que falaram ou ficarmos olhando o celular.

A falta de presença se manifesta também na forma de ansiedade, desatenção, acidentes, esquecimento, impulsividade e pensamentos sobre resultados futuros ou acontecimentos passados.

Intuição

A intuição é percebida quando estamos mais presentes e atentas para ouvirmos os sinais que se apresentam para nós. Todas somos intuitivas mas na maior parte das vezes não ouvimos os sinais que nos chegam.

Para que seja possível ouvi-la, a intuição nos convida a um mergulho profundo no autoconhecimento. Assim como um músculo, é preciso exercitá-la. Quanto mais nos conhecemos e sabemos o que desejamos e o que não desejamos, mais também conseguimos ouvir a nossa voz interior e fazer escolhas. A intuição não é necessariamente algo extrassensorial, deslocado do corpo, como algo que nos invade fazendo perceber o melhor caminho. Intuição é a nossa verdade interna conversando com a gente. Podemos percebê-la no desconforto do estômago, no arrepio da pele, na batida diferente do coração, no nó na garganta, nos sonhos.

Perguntas que você pode se fazer para avaliar como está a sua relação com a intuição: Você sonhou essa noite? Se sim, o quão simbólico foi o sonho? Algo novo fez sentido? Você conseguiu enxergar as suas verdadeiras intenções ou as de alguém por trás das ações ou palavras? Você teve algum insight? Você teve alguma ideia em um momento inesperado? Enxergou possibilidades ou caminhos que antes não conseguia? Fez escolhas que pareciam arbitrárias e que tiveram um resultado positivo? Você consegue escutar o que seu corpo precisa? Olhando para as respostas dessas perguntas, você consegue reconhecer como você estava se sentindo naqueles momentos? Como é a sua relação com a intuição? Como você normalmente percebe as mensagens da sua voz interior?

Extroversão e Expressividade

Em certos períodos de nosso ciclo, temos mais facilidade para conviver com outras pessoas, vontade de ir a eventos sociais, conversar com desconhecidos, falar em público e nos expressarmos. Em outros, podemos querer ficar em casa sem falar com ninguém. Assim como toda energia presente no universo, seguindo os movimentos da Lua, da Terra e das estações. Nossa energia é cíclica e se manifesta através de movimentos de contração e expansão. Em um momento nos sentimos com a energia voltada para dentro (nas plantas, a energia durante a lua nova fica concentrada nas raízes) e, em outros, com energia voltada para fora (nas plantas, a energia durante a lua cheia fica concentrada nas folhas). Ambos os movimentos são rítmicos e saudáveis e cada um traz suas qualidades e ensinamentos para nossas vidas. 

Uma sugestão para colorir o seu diagrama é pintar com intensidade nos momentos nos quais você se sentir mais sociável e com pouca cor quando essa energia não estiver presente. Para os dias em que se sentir introvertida, deixe esse espaço sem cor. 

Você sentiu facilidade de se comunicar com as outras pessoas hoje? Sentiu mais necessidade de ficar sozinha e/ou de espaços mais silenciosos? Caso tenha sido necessário realizar reuniões, pedir ajuda, entrar em contato com alguma pessoa desconhecida, você sentiu facilidade ou dificuldade?

Amorosidade

Amorosidade é a nossa capacidade de dar amor para os outros e para nós mesmas, de sermos generosas, compassivas e de criar conexão e empatia. O amor é um fluxo energético que se expande e nutre o sentimento de gratidão, seja pela existência de um outro ser, pela consciência a respeito de algo ou apenas por estar viva. É um fluxo circular e completo, pois a gratidão é uma abertura e um reflexo de volta do amor. Assim, dar e receber fazem parte de um só movimento, que é o de entrega ao fluxo.

O amor é o nosso elixir, o maior dos poderes curativos. Quando passamos por momentos difíceis, é normal que tenhamos sentimentos dolorosos e até mesmo atitudes agressivas. É comum que nesses momentos nos sintamos injustiçadas, frustradas e desconfiadas. A raiva, a mágoa e a indiferença são sentimentos que geralmente acompanham os momentos de pouca amorosidade.

Você foi compassiva com seus erros hoje? E com os dos outros? Você deu carinho (seja na forma de afago, palavras, comida ou atenção) para alguém? O quanto comparado a outros dias? Você compartilhou o que tem ou agiu de forma egoísta? Lembrando que às vezes pensamos que estamos agindo de forma egoísta quando na verdade estamos sendo amorosas, mas com nós mesmas.

Autoconfiança e autoestima

Autoconfiança é reconhecer e aceitar nosso próprio valor. É arriscar, ousar revelar-se tendo a coragem de ser quem se é. A falta de autoconfiança se manifesta na prática da comparação, no medo de errar ou de gerar conflito. O medo de errar faz com que nos julguemos incapazes de realizar coisas que somos capazes e cria um excesso de criticismo e perfeccionismo sobre nossas ações. O medo de criar conflito nos faz assumir culpas que não são nossas e passar por cima de nossas necessidades. Quando nos libertamos do paradigma da comparação, aceitamos nossa grandeza, percebendo que somos todos igualmente grandiosos.

Autoestima não necessariamente significa estar totalmente satisfeita mas, independente daquilo que nos desagrada, conseguirmos olhar de forma gentil e amorosa para nós mesmas, para os nossos processos, para quem somos. É validar e confiar em nossos sentimentos, escolhas, dúvidas, desconfortos e desejos.

Você confiou nos seus julgamentos hoje? Acreditou no seu conhecimento? Você se percebeu com necessidade de aprovação dos outros ou só conseguindo validar o que precisa a partir da opinião alheia? Se percebeu reagindo mais aos desejos das outras pessoas do que aos seus? Quando se percebe frágil em uma situação, consegue se acolher gentilmente? Se percebeu insatisfeita em alguma situação por dificuldade de libertar alguma crença perfeccionista? Como você percebe sua autoconfiança e sua autoestima nesse momento? 

Energia sexual

Energia sexual é o seu desejo sexual ou libido. Refere-se à sexualidade, à sensualidade, à busca pelo prazer e satisfação em vários níveis. A energia sexual pode ser usada como fonte de poder e criação tanto de vida (no sentido de perpetuação da espécie, procriação) como também de criação (enquanto potência para produzir algo seu, ideias e projetos).

Estar atenta à libido é aprender sobre como encaramos desejo e prazer. Quando conhecemos nosso corpo e vivemos nossa sexualidade sem os tabus do patriarcado e da sociedade de consumo, tomamos responsabilidade sobre nossa saúde sexual e conquistamos autonomia, confiança e liberdade de padrões de desejo que nos são impostos. É possível perceber a ciclicidade da energia sexual ou libido através do ciclo menstrual, por exemplo. Observe como essa energia se manifesta no seu ciclo e quais outras energias estão associadas ou em oposição.

Você sentiu desejo sexual por você mesma ou por alguém hoje? Quão forte foi esse desejo comparado a outros dias? Você se masturbou? Teve um orgasmo? Se teve relações sexuais, o quão prazerosas foram? E comparado a outras relações? Você sentiu desejo de criar ou expressar seus desejos? Qual a energia predominante nas suas trocas no dia de hoje? E como estava a expressão da sua sensualidade?

Força de ação

Ter força de ação significa exercer o poder da realização. Trata-se do nosso potencial para materializar nossos projetos e ideias. É a força de transformar sonhos em realidade, seja através da disciplina e do hábito ou apenas a força para resolver as pequenas pendências do dia a dia. A pouca intensidade dessa força ou a sua estagnação pode ser percebida pela procrastinação.

Você colocou coisas em prática hoje? Não pense só em coisas grandiosas, projetos difíceis. Às vezes simplesmente lavar a louça ou fazer um prato de comida é uma significativa realização para quem está num momento mais difícil. Você pode elaborar um parâmetro adequado para você com base na média de realizações que encontrar olhando para as lunações passadas. Lembre-se de manter um olhar compassivo e celebrar as ações que possam parecer pequenas. Não deixe a mentalidade capitalista exigir uma produtividade além do que sua vida comporta e observe se você está se proporcionando as pausas necessárias para sua saúde e para ter produtividade com propósito.

Energia vital

É a energia física e mental que nos faz sentir presentes, vivas e ativas no mundo. Quando nossa energia vital está fluindo, nos sentimos mais dispostas, mesmo que tenhamos dificuldades ao longo do dia e, quando baixa ou estagnada, sentimos cansaço, indisposição e necessidade de repouso. Podemos nos sentir exaustas e desvitalizadas devido a algum período de grandes lutas e transformações internas (processos de desenvolvimento interior), onde foi gasta muita energia psíquica, ou depois de um longo período de tensão, que pode ser relacionado a nós mesmas ou a cuidados dedicados a outra pessoa (familiar doente, por exemplo). 

Muitas vezes não percebemos os avisos do corpo de que estamos nos desgastando demais e sentimos dificuldade de gerenciar o uso da nossa energia. Podemos pensar na nossa energia vital como as raízes de uma árvore. Se a nutrição das raízes continua preservada, mesmo que as folhas sequem ou que aconteça uma poda severa, ela ainda pulsará vida e, com gentileza e no seu tempo, usará sua energia vital para se regenerar.

Energia vital tem a ver com como você sente seu corpo. Você se sente disposta, leve, entusiasmada? Ou pesada, cansada, preguiçosa, doente? Ao identificar quando estamos exaustas, podemos pensar em atividades que nos ajudem a recuperar a energia vital, por exemplo: dançar, tomar um banho, caminhar descalça sobre a terra, deitar sobre o solo de barriga para cima e levantar as pernas apoiadas em uma árvore, tomar o Sol do amanhecer ou do entardecer, respirar profundamente, dormir sob a Lua.

Diariamente pegue seu marca-página e vá até a página da lunação atual. Encontre o dia em que você está, encoste o marca-página ao lado, alinhando os anéis e a legenda. Pergunte-se sobre a presença de cada um dos aspectos que você escolheu observar em você, pinte seus poderes e desenhe os ícones correspondentes.

Faça uma autoinvestigação afetuosa. Não se julgue por não estar sendo aquela que você gostaria de ser sempre. Acolha e reconheça as suas necessidades.